Arte

As esculturas impressionantes de Theo Jansen que parecem estar vivas

01 • 07 • 2022 às 10:09
Atualizada em 06 • 07 • 2022 às 10:15
Redação Hypeness
Redação Hypeness Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Esculturas que mais parecem animais enormes e mutantes que andam pelas praias da Holanda. Essas obras vivas são conhecidas como “Strandbeests” e fazem parte de uma coleção crescente do artista Theo Jansen, que desde 1990 vem construindo seres cinéticos em grande escala movidos completamente pela ação do vento.

As esculturas têm um corpo volumoso, várias patas, às vezes um rabo… mas, acima de tudo, andam! Não há energia elétrica, armazenada ou direta, que dê vida ao avatar cinético da forma. As Strandbeests – termo holandês que se traduz em “bestas da praia” – são criadas por Jansen num uso da mecânica, gerando uma “vida artificial”, como descreve o criador.

Jansen se dedicou a criar esta nova forma de vida que parece tão orgânica que de longe pode ser confundida com enormes insetos ou esqueletos de mamutes pré-históricos, mas são feitos de materiais da era industrial: tubos plásticos flexíveis de PVC, fita adesiva.

—‘Morada dos Deuses’: escultor transforma ruínas em arte no Peru 

“Animaris Percipiere Rectus, IJmuiden” (2005). Foto de Loek van der Klis

“Animaris Percipiere Rectus, IJmuiden” (2005). Foto de Loek van der Klis

Eles nasceram dentro de um computador como um algoritmo, mas não precisam de motores, sensores ou qualquer outro tipo de tecnologia avançada para andar. Eles se movem graças à força do vento e da areia molhada que encontram em seu habitat dos holandeses costa.

Para o físico que virou artista, não é a criação de uma máquina de sonhos definitiva, mas sim uma evolução, assim como qualquer forma viva na Terra. Além disso, as recentes ‘edições da espécie’ já são dotadas de inteligência e armazenamento de energia – elas podem responder ao ambiente, alterar seu curso quando tocam a água, armazenar vento para se mover quando não há brisa natural, como qualquer ser vivo, da flora e da fauna, que possa sobreviver sem consumir alimentos por meio da energia armazenada.

—Árvore danificada vira escultura em que a Terra parece pedir socorro

“Animaris Umerus, Scheveningen” (2009). Foto de Loek van der Klis

Jansen recentemente compilou uma coleção de seus trabalhos no vídeo abaixo, que narra a evolução do Strandbeest durante os últimos anos. A montagem encapsula formas anteriores carregando velas maciças, criaturas semelhantes a lagartas e, agora, seres alados que voam metros acima do solo e é uma evidência da dedicação de décadas do artista ao desenvolvimento dessas obras realistas.

Publicidade

Canais Especiais Hypeness