Debate

Brasil de volta ao mapa da fome da ONU e o problema não é a falta de alimentos

08 • 07 • 2022 às 09:57
Atualizada em 11 • 07 • 2022 às 17:20
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

Enquanto o Brasil retorna ao mapa da fome da ONU, com cerca de 61 milhões de brasileiros enfrentando dificuldades para se alimentar desde 2019, e 15 milhões efetivamente passando fome, o país segue como um dos maiores produtores de alimento do mundo.

A informação é da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), que aponta o imenso retrocesso brasileiro como inédito e acima do quadro de fome médio global.

O novo registro da fome no planeta lançado pela ONU comprova o retorno do Brasil ao mapa

O novo registro da fome no planeta lançado pela ONU comprova o retorno do Brasil ao mapa

-A fatura de R$ 377 mil de Gabi Brandt no Brasil que voltou ao mapa da fome da ONU

Combate à fome não foi prioridade de governo 

Um país entra no Mapa da FAO quando mais de 2,5% de sua população vive sob falta crônica de alimentação: a fome crônica no Brasil atual atinge 4,1% da população.

O país havia deixado o mapa em 2014 mas, segundo o novo levantamento, retornou ao quadro emergencial em 2018. Segundo Rafael Zavala, representante da ONU no Brasil, o combate à fome não foi prioridade do governo brasileiro nos últimos anos, permitindo desenvolver uma “cifra assustadora” sobre insegurança alimentar no país.

Rafael Zavala, representante da FAO da ONU no Brasil

Rafael Zavala, representante da FAO da ONU no Brasil

‘É fome’: moradores relatam grito desesperado de homem por comida em condomínio no DF

“Não se priorizou o combate à fome em nível nacional”, resumiu Zavala, em entrevista para a BBC Brasil, lembrando que o problema no Brasil e na América Latina não é de disponibilidade de alimentos, “mas sim de desigualdade, pobreza e falta de renda”.

Desmontes de programas como o Bolsa Família, bem como o caos no comando da economia brasileira, conduzida sob a marca do declarado desinteresse ou mesmo preconceito do ministro Paulo Guedes contra as populações mais pobres, aponta o início da crise para muito anterior à crise causada pela pandemia.

Preconceito e ineficácia marcam o ministério da economia de Guedes - e ampliam a fome no país

Preconceito e ineficácia marcam o ministério da economia de Guedes – e ampliam a fome no país

-Paulo Guedes diz que classe média come demais e recebe resposta à altura de Bela Gil

Não é apenas culpa da pandemia 

Segundo daniel Balaban, diretor do Programa de Alimentos da ONU no Brasil, a pandemia não é a maior culpada pelo retorno do Brasil ao mapa.

“Essa população precisa do apoio de políticas públicas para ser incluída na cidadania, incluída na sociedade”, diz, em reportagem do Jornal Nacional. De acordo com o diretor, é fundamental fazer com que essas populações possam produzir, participar, desenvolver pequenos negócios, investir em formação educacional e profissional, e mais.

O Brasil está entre os 5 maiores produtores de alimento do mundo, mas retorna ao mapa da fome

O Brasil está entre os 5 maiores produtores de alimento do mundo, mas retorna ao mapa da fome

-Padre Julio Lancellotti faz série para explicar ódio das cidades brasileiras aos pobres

Importante lembrar que, além dos diversos outros programas desidradatos ou encerrados durante a atual administração, o plano do Governo Bolsonaro e do Ministro Paulo Guedes para a pandemia era um auxílio de apenas R$ 200, e foi o Congresso que conseguiu aprovar o auxilio emergencial de R$ 600.

A inflação e o aumento atual descontrolado no preço dos alimentos tornam essa imensa crise em trágica emergência no cenário brasileiro atual. Enquanto isso, o país é responsável por alimentar 10% da população mundial, como um dos quatro maiores produtores de comida do mundo.

Trata-se de retrocesso inédito, após o país sair do mapa, em 2014

Trata-se de retrocesso inédito, após o país sair do mapa, em 2014

Publicidade

© fotos 1, 4: Getty Images

© foto 2: FAO/ONU

© fotos 3, 5: Wikimedia Commons


Canais Especiais Hypeness