Ciência

Cometa K2 atinge auge de proximidade da Terra nesta quinta

14 • 07 • 2022 às 16:57 Redação Hypeness
Redação Hypeness Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Nesta quinta-feira (14), o Cometa K2 atingirá o seu ponto de maior proximidade do planeta Terra. O objeto estará a aproximadamente 270 milhões de quilômetros da Terra em sua jornada ao redor do Sol.

O Cometa K2 terá uma magnitude estimada em 8 (quanto menor o número, mais brilhante o objeto). O número indica que seu brilho não é suficiente para ser observado a olho nu.

Cometa K2 não deve ser visível a olho nu, mas pode ser visto com telescópios e lunetas

O K2 foi notado pela primeira vez pelo Telescópio Espacial Hubble em maio de 2017. Ele estava entre as órbitas de Saturno e Urano. Agora, ele está chegando nas proximidades da Terra.

– Detritos do cometa Halley são vistos durante chuva com mais de 300 meteoros no céu de SC

“O cometa poderá ser observado com o uso de pequenos telescópios ou até mesmo com lunetas, desde que o observador esteja em locais com pouca poluição luminosa, ou seja, locais mais escuros. Os observadores que estiverem no hemisfério sul serão privilegiados para observar o cometa em quase toda a noite do dia 14”, explicou o MSc. Marçal Evangelista Santana, doutorando em Astronomia do Observatório Nacional, em nota do ON.

O cometa K2 é um pedaço de gases congelados que está viajando no espaço com origem da Nuvem de Oort em direção ao centro do sistema solar. Com uma cauda 800 mil quilômetros de comprimento. Cometas seguem em uma órbita ao redor do sol.

– Telescópio Hubble, da Nasa, localiza estrela mais distante já vista e que está há 12 bilhões de anos-luz

“O estudo de cometas como o C/2017 K2, permite que os astrônomos monitorem a atividade desde grandes distâncias heliocêntricas até distâncias menores. No caso do cometa C/2017 K2, desde sua descoberta em 2017, diversos estudos têm sido realizados para entender quais gelos e a que distâncias as atividades começaram e como essa atividade evolui à medida que o cometa se aproxima de seu periélio”, comentou Marçal.

Publicidade

Fotos: Maurizio Berti/Creative Commons


Canais Especiais Hypeness