Ciência

Dificuldade de ejaculação e redução de libido são alguns dos sintomas mais comuns da ‘Covid longa’

28 • 07 • 2022 às 19:48 Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

Entre os sintomas mais comuns apresentados por quem enfrenta a chamada “Covid longa” estão espirros, perda do olfato, redução de libido, queda de cabelo e até mesmo dificuldade de ejaculação: essa é uma das conclusões de um estudo britânico com pacientes que apresentaram a “Síndrome pós-Covid”. De acordo com a pesquisa, o diagnóstico se apresenta entre as pessoas que pegaram a Covid-19 e permaneceram sentindo os efeitos da doença mesmo passadas 12 semanas da infecção.

A "Síndrome Pós-Covid" ou "Covid Longa" apresenta sintomas persistentes da doença

A “Síndrome Pós-Covid” ou “Covid Longa” apresenta sintomas persistentes da doença

-Maconha medicinal pode ser eficaz contra a covid longa, sugere estudo

O levantamento de sintomas apontados pelo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, e publicado na revista “Nature” listou mais de 60 efeitos, e determinou também os fatores de risco associados à síndrome. De acordo com o estudo, cerca de 10% das pessoas infectadas no Reino Unido desenvolveram os chamados “sintomas persistentes”, tendo as mulheres mais jovens, as pessoas com menor acesso socioeconômico, fumantes e pessoas com comorbidades como os grupos mais afetados.

A síndrome apresenta alguns sintomas comuns à doença, como tosse, perda de olfato e cansaço

A síndrome apresenta alguns sintomas comuns à doença, como febre, perda de olfato e cansaço

-Como a Covid-19 afeta o cabelo dos infectados; pessoas relatam queda massiva

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o quadro se apresenta comumente cerca de 3 meses após o surgimento dos sintomas mais agudos da Covid-19, e podem durar até 2 meses. Tosse, falta de ar mesmo em repouso, cansaço, dor no peito, rouquidão e febre são outros sintomas tardios comuns apontados pelo estudo, que foi feito a partir de registros anônimos de saúde de 2,4 milhões de pessoas entre janeiro de 2020 e abril de 2021.

A tosse forte e persistente também se apresenta entre os casos de "Covid Longa"

Queda de cabelo e tosse forte e persistente também se apresentam entre os casos de “Covid Longa”

-Após 2 meses na cama, Joelma fala sobre sequelas da Covid-19: ‘afetou minha visão’

A pesquisa também apontou o que chamou de “grupos étnicos” como propensos ao desenvolvimento da “Síndrome Pós-Covid”, citando afro-caribenhos e de “etnia mista”, nativos de origem americana ou da Polinésia. “Mais pesquisas também são necessárias para entender os impactos sociais e de saúde desses sintomas persistentes, para apoiar os pacientes que vivem com sequelas de longo prazo e desenvolver tratamentos direcionados”, diz o estudo, que não sugere um possível diagnóstico alternativo para o desenvolvimento dos sintomas.

Entre os homens, também foram apresentados sinais de dificuldade de ejaculação

Entre os homens, também foram apresentados sinais de dificuldade de ejaculação

Publicidade

Canais Especiais Hypeness