Inspiração

Julho das Pretas: entenda movimento político de mulheres negras inspiradas por Tereza de Benguela

18 • 07 • 2022 às 10:10
Atualizada em 20 • 07 • 2022 às 09:50
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

Em 25 de julho se comemora o Dia de Tereza de Benguela e da Mulher Negra: a data que celebra a líder que comandou o quilombo de Quariterê, no século 18, é o ponto alto do calendário do “Julho das Pretas”, agenda coletiva que traz atividades voltadas para “o fortalecimento da ação política coletiva e autônoma das mulheres negras nas diversas esferas da sociedade”. Em 2022, o evento chega a sua décima edição, com 427 atividades sendo realizadas por mais de 200 organizações de mulheres negras em 18 estados do Brasil, e uma atividade realizada em Paris, na França.

A edição de 2022 celebra os 10 anos do Julho das Pretas

A edição de 2022 celebra os 10 anos do Julho das Pretas, ação que se desenvolve em todo o país

-Sueli Carneiro: os melhores momentos do papo reto da intelectual negra com Mano Brown

O Julho das Pretas é uma ação criada em 2013 pelo Odara – Instituto da Mulher Negra pela superação da desigualdade de gênero e raça, colocando a luta das mulheres negras como centro do debate. A 10ª edição retoma as atividades presenciais com o tema “Mulheres Negras no Poder, Construindo o Bem Viver”, com atos e manifestações em todo o país. Além dos dez anos, serão celebrados em 2022 os 30 anos desde que foi declarado pela ONU, em 1992, o 25 de Julho também como o Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha.

Em 2022, serão 427 atividades por mais de 200 organizações de mulheres negras em 18 estados

Em 2022, serão 427 atividades por mais de 200 organizações de mulheres negras em 18 estados

-Maria Firmina dos Reis: 1ª romancista negra do país é homenageada em seus 200 anos pelo Itaú Cultural

Além das manifestações, acontecerão exposições, aberturas, rodas de conversa, cineclubes, oficinas, lançamentos e muito mais, incluindo diversas atividades virtuais. Os eventos se darão ao longo do mês pelos estados da Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Distrito Federal, Sergipe, Paraná, Mato Grosso, Goiás, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Piauí, São Paulo, Pará, Rio Grande do Norte, Minas Gerais e Santa Catarina. A agenda completa dos eventos pode ser acessada no site do Instituto Odara.

Pintura de Tereza de Benguela realizada por Félix Edouard Vallotton

Pintura de Tereza de Benguela realizada por Félix Edouard Vallotton

-‘Combo da Morte’ ameaça quilombolas e população indígenas no Brasil

O dia 25 de julho foi decretado em 2014 como Dia de Tereza de Benguela e da Mulher Negra pela presidente Dilma Rousseff, para celebrar a vida e a luta de Tereza, que foi reconhecida como rainha ao liderar o Quilombo de Quariterê, no atual estado de Mato Grosso, por mais de duas décadas. A rainha utilizava um sistema parlamentar, que se reunia semanalmente para tomar as decisões sobre o local, e ainda desenvolvia agricultura de algodão e fabricava tecidos comercializados fora do quilombo.

Mapa da região de Vila Bela da Santíssima Trindade, no Mato Grosso, onde ficava o Quilombo

Mapa da região de Vila Bela da Santíssima Trindade, no Mato Grosso, onde ficava o Quilombo

-Dandara dos Palmares e Luísa Mahin são eleitas heroínas da pátria pelo Senado

O Quilombo foi destruído em junho de 1770 pelas forças de Luís Pinto de Sousa Coutinho, mas a luta e a liderança de Tereza reluzem até hoje como exemplo da força e da importância da mulher negra na história do Brasil – e no combate ao racismo e a escravidão no mundo.

Publicidade

© fotos 1, 2: Odara – Instituto da Mulher Negra/reprodução

© fotos 3, 4: Wikimedia Commons


Canais Especiais Hypeness