Ciência

Maior espécie de vitória régia que passou 177 anos disfarçada é enfim descoberta

08 • 07 • 2022 às 09:57
Atualizada em 13 • 07 • 2022 às 09:15
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

A maior espécie de vitória-régia do mundo permaneceu por 177 anos “disfarçada” diante dos pesquisadores do Royal Botanic Gardens, Jardim Botânico de Kew, em Londres, sendo tratada ao longo de todos esses anos pela identidade errada. Até recentemente, os cientistas acreditavam que havia apenas duas subespécies de lírios gigantes, a Victoria amazonica e a Victoria cruziana: a nova espécie identificada foi batizada como Victoria boliviana, em homenagem ao seu país de origem.

Carlos Magdalena e Lucy Smith medindo as folhas da espécie descoberta

Carlos Magdalena e Lucy Smith medindo as folhas da espécie descoberta

-Jardim Botânico do Rio é o terceiro mais “instagramável” do mundo, segundo pesquisa

O novo estudo identificando o “novo” tipo de nenúfar, nome da planta conhecida popularmente como vitória-régia, foi publicado na revista Frontiers in Plant Science, e detalha que a espécie possui folhas que podem crescer até três metros de largura. As primeiras vitória-régia gigantes foram levadas ao Reino Unido da Bolívia em 1852, e batizadas como do gênero “Victoria” em homenagem à rainha da Inglaterra de então.

A vitória-régia estava no Jardim Botânico de Londres há 177 anos

A vitória-régia está no Jardim Botânico de Londres há 177 anos

-2 a cada 5 espécies de plantas no mundo estão em risco de extinção

“Ter esses novos dados sobre a Victoria e identificar uma nova espécie no gênero é uma conquista incrível na botânica”, afirmou Alex Monro, líder da pesquisa. “Diante de uma rápida taxa de perda de biodiversidade, descrever novas espécies é uma tarefa de fundamental importância”, diz o biólogo. Quando em seu habitat natural, a espécie cresce nos Llanos de Moxos, um dos maiores pântanos do mundo, localizado na província de Beni. O Kew Gardens, como é conhecido o Royal Botanic Gardens, é o maior jardim botânico do mundo.

Carlos Magdalena no pântano boliviano onde a Victoria boliviana é encontrada na natureza

Carlos Magdalena no pântano boliviano onde a Victoria boliviana é encontrada na natureza

-Singapura investe mais de U$ 1 bi para construir jardim botânico em aeroporto

A Victoria boliviana produz várias flores por ano, mas elas só abrem uma de cada vez, e por apenas duas noites, em branco e rosa, coberta de espinhos. Essa é a primeira espécie de nenúfar gigante identificada desde meados do século 19, e pôde ser reconhecida a partir de uma coleção de sementes recebidas pelo Kew Gardens enviadas pelas instituições bolivianas Jardim Botânico Santa Cruz de La Sierra e Jardins La Rinconada, em 2016, A maior planta individual da espécie foi registrada pelos Jardins La Rinconada, na Bolívia, com folhas de 3,2 metros.

As folhas da Victoria boliviano têm em média 3 metros

As folhas da Victoria boliviano têm em média 3 metros

Publicidade

© fotos: Royal Botanic Gardens/divulgação


Canais Especiais Hypeness