Inspiração

Maria Stewart: primeira mulher a discursar nos EUA era uma feminista e abolicionista negra no século 19

15 • 07 • 2022 às 15:12
Atualizada em 19 • 07 • 2022 às 10:33
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

Numa época em que não era permitido a nenhuma mulher discursar ou mesmo expor opiniões políticas, Maria W. Stewart fez história nos EUA do século 19 ao se tornar a primeira mulher a falar para plateias e realizar palestras públicas.

Falando em favor dos direitos das mulheres e contra o racismo e a escravidão no país, Stewart tornou-se conhecida por discursos que realizou em Boston no início da década de 1830, para plateias misturadas entre homens, mulheres, brancos e negros.

A jovem Maria W. Stewart, à época em que se tornou viúva e começou seu ativismo

A jovem Maria W. Stewart, à época em que se tornou viúva e começou seu ativismo

-Juneteenth: população negra dos EUA celebra o ‘Dia da Libertação’ em junho desde 1866

Pelos direitos das mulheres 

Filha de pessoas escravizadas, mas nascida liberta em 1803, Maria perdeu os pais com três anos, cresceu sem educação formal e só começou a estudar com 15 anos.

Com 23 anos viria a se casar, mas, apenas três anos depois, tornou-se viúva – e, ao descobrir que não receberia a pensão que era sua por direito, foi que começou a pensar sobre os direitos das mulheres, especialmente das mulheres negras, e a atuar como ativista da causa.

Mais velha, ela abandonou os discursos e palestras e foi trabalhar como professora e enfermeira

Mais velha, ela abandonou os discursos e palestras e foi trabalhar como professora e enfermeira

-A mulher negra que escapou da escravização disfarçando-se de homem branco

No mesmo período em que começou a discursar e atuar em favor dos direitos das mulheres negras, o movimento pelo fim da escravidão nos EUA crescia e ganhava voz em Boston, onde ela vivia.

Quando o editor William Lloyd Garrison, responsável pelo jornal abolicionista The Liberator, convocou mulheres negras a contribuírem com a publicação, Maria apareceu na redação do jornal com diversos ensaios manuscritos, que Garrison decidiu publicar.

O jornalista William Lloyd Garrison, editor do jornal Liberator

O jornalista William Lloyd Garrison, editor do jornal Liberator

-Ativista negra Harriet Tubman será o novo rosto da nota de 20 dólares

O primeiro dos ensaios, publicados em panfletos, Religion and the Pure Principles of Morality (Religião e os princípios puros da moralidade, em tradução livre), convocava as mulheres afro-americanas a se organizarem contra a escravidão no sul.

“Até quando as justas filhas da África serão compelidas a enterrar suas mentes e talentos sobre o peso das panelas de ferro e chaleiras?”, ela escreve. Em seguida, Maria publicaria The Sure Foundation on Which We Must Build (A fundação firme sobre a qual precisamos construir, em tradução livre), ensaio no qual advoga pelo fim da escravidão e a autonomia negra.

O The Liberator foi um dos mais importantes jornais abolicionistas dos EUA no período

O The Liberator foi um dos mais importantes jornais abolicionistas dos EUA no período

-Repórter da BBC descobre que família enriqueceu com tráfico de escravizados

Ela ainda publicaria outros dois ensaios sobre religião, enquanto começava a realizar suas palestras públicas – e as falas de Maria W. Stewart começaram a causar furor e intensas reações entre os públicos miscigenados que a assistiam na cidade.

“Vejam a algumas das pessoas mais interessantes e valiosas entre nós, fadadas a perder suas vidas nas cozinhas dos senhores. Vejam nossos jovens, espertos, ativos e cheios de energia, com a alma cheia do fogo da ambição: quais são suas prospecções? Eles não podem ser nada além de trabalhadores humildes, por conta de sua tez escura”, discursou.

Ilustração no jornal: "Eu não sou uma mulher e uma irmã?"

Ilustração no jornal: “Eu não sou uma mulher e uma irmã?”

-Ada Overton: a história da primeira atriz negra a se consagrar nos EUA

Maria Stewart foi a primeira mulher negra a realizar uma palestra sobre direitos femininos e sobre liberdade das mulheres negras, assim como a primeira mulher a falar para homens e mulheres ao mesmo tempo, a falar sobre política em um espaço público, e a discursar contra a escravidão.

Ela abandonaria os discursos para se dedicar ao trabalho de professora e enfermagem em Washington D.C., capital do país. Hoje seu nome se inscreve como uma das matriarcas do feminismo negro e pela libertação da população negra no país, especialmente durante a chamada Era Jim Crow, quando as leis dos EUA segregavam o país.

Publicidade

© foto 1: Pinterest/reprodução

© fotos 2, 3: Wikimedia Commons

© foto 4: Getty Images

© foto 5: Liberator/reprodução


Canais Especiais Hypeness