Ciência

Microdosagem de psilocibina melhora saúde mental e desempenho psicomotor após 55 anos, aponta estudo

26 • 07 • 2022 às 09:13
Atualizada em 28 • 07 • 2022 às 09:45
Redação Hypeness
Redação Hypeness Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

O que acontece quando um grupo de cientistas reúne um grupo de estudo de idosos e dá a todos cogumelos psicodélicos? Acontece que o maior estudo do mundo sobre microdosagem descobriu que eles ficam mais em paz e mais hábeis para viver. Microdosagem é um termo usado para descrever o consumo repetido de quantidades quase insignificantes de psicodélicos para (teoricamente) melhorar o desempenho cognitivo de várias maneiras. No entanto, não é mais tão teórico, pois as descobertas, agora revisadas por pares e publicadas na Nature, mostram como a microdosagem de psilocibina está associada a melhorias gerais no humor e na saúde mental.

 

Além disso, um achado específico para indivíduos com mais de 55 anos indicou que a microdosagem estava associada a maiores melhorias no desempenho psicomotor em relação aos não microdosadores. Além disso, adultos com mais de 55 anos exibiram uma melhora ainda maior no desempenho psicomotor quando a psilocibina é administrada com cogumelo juba de leão e niacina em comparação com a psilocibina sozinha. Esses resultados podem ajudar a desenhar os ensaios clínicos em humanos envolvendo substâncias psicodélicas.

Novos caminhos

Uma das críticas comuns aos estudos observacionais desse tipo é que eles são descontrolados e incapazes de separar os efeitos placebo daqueles relacionados aos verdadeiros efeitos farmacológicos das substâncias psicodélicas. O objetivo da pesquisa observacional é observar comportamentos como eles ocorrem naturalmente no mundo e tirar conclusões sem interferir nessas práticas naturais.

Embora um efeito de expectativa não possa ser descartado para depressão, ansiedade e estresse, os relatos sobre benefícios subjetivos são complementados por melhorias na tarefa psicomotora do estudo (o Finger Tap Task), o que agrega robustez aos resultados. O Finger Tap Task é um dos testes de destreza mais comumente usados ​​para ajudar a diagnosticar a doença de Parkinson e envolve um paciente batendo o dedo indicador e o polegar juntos o máximo de vezes e o mais rápido possível durante 15 segundos.

“Os resultados do teste de toque são interessantes. Embora um placebo neste tipo de estudo observacional não seja apropriado, os resultados do teste de toque com microdosagem combinando psilocibina, niacina e juba de leão acima da linha de base, e em comparação com psilocibina tomada com qualquer outra combinação, destaca-se como um forte sinal de significância para a atuação da psicomotricidade. Estamos empolgados em testar isso clinicamente”, diz Paul Stamets, especialista de renome mundial em cogumelos de todos os tipos.

Outros resultados observacionais do estudo incluem um que mostrou, desde a linha de base até o mês 1, que os microdosadores relatam sistematicamente reduções maiores nos sintomas relacionados à saúde mental do que os não microdosadores. Adultos com mais de 55 anos, que fizeram microdosagem com cogumelos de psilocibina, além de juba de leão e niacina, mostraram os maiores aumentos (cerca de 40%) no número total após cerca de um mês em relação aos não microdosadores e aqueles que microdosaram psilocibina sozinha.

O estudo, informalmente chamado Microdose.me, tem mais de 19.000 participantes de todo o mundo e foi apresentado em várias conferências, incluindo SXSW, Summit LA, TED e Life Itself. O estudo foi realizado em parceria com a Universidade de British Columbia, Universidade de Maastricht, Paul Stamets e Dra. Pamela Kryskow, entre outros.

 

Publicidade

Fotos: Waqas Anees e Getty Images


Canais Especiais Hypeness