Inspiração

Poderosa campanha de prevenção ao suicídio desafia aparências e estereótipos

20 • 07 • 2022 às 09:44
Atualizada em 22 • 07 • 2022 às 10:11
Karol Gomes
Karol Gomes   Redatora Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Uma campanha de prevenção ao suicídio está usando a fotografia para enviar uma mensagem poderosa: The Last Photo, compartilha a última foto de alguém antes de morrer por suicídio, provando que nem todos as pessoas sofrendo com depressão deixam isso evidente. 

Acompanhando cada imagem da campanha, está uma história sobre a pessoa, contada pela família ou amigos que a compartilharam. The Last Photo é o trabalho da Campaign Against Living Miserably (CALM), uma organização de caridade com sede no Reino Unido. Por meio do projeto, a organização está enfatizando que “o suicídio nem sempre parece suicida” e, além disso, não é sempre fácil para alguém pedir ajuda quando está sofrendo. 

– Cão terapêutico impede que mulher cometa suicídio; entenda

De acordo com a própria pesquisa da organização, 61% teriam dificuldade para contar a alguém se eles se sentissem suicidas. É por isso que The Last Photo é tão importante; mostra que às vezes um sorriso é uma máscara, e isso pode tornar difícil — ou mesmo impossível — saber que alguém está tendo ideias suicidas.

– Sobreviventes de tentativas de suicídio compartilham quão feliz sua vida se tornou enfim

A CALM espera que, ao iniciar conversas, todos possamos ajudar a prevenir o suicídio. “Ao remover o estigma que envolve o suicídio, podemos torná-lo uma conversa cotidiana. Juntos, podemos tornar mais fácil para todos falarem sobre como estão se sentindo. Abertamente. Sem julgamento. Sem vergonha. Para que ninguém tenha que lutar por conta própria”, diz o site da campanha. Confira alguma das histórias compartilhadas por meio da campanha. 

Adam, 18 anos

“Adam era incrivelmente brilhante, atencioso e inteligente. Também tão, tão teimoso. Uma estrela tão brilhante, dezoito para sempre. Adam adorava ir ao nosso parque local, o Millennium Green, que foi criado em seu ano de nascimento. Agora temos um banco de lembranças para Adam, muito perto de onde esta foto foi tirada” – Indila, mãe de Adam

Chris, 44 anos

“Chris e eu passamos 14 anos juntos, muitas vezes desafiadores, mas sempre cheios de amor. Você não poderia encontrar uma pessoa mais doce, mais gentil ou mais receptiva. Nos dias antes de sua morte, ele parecia mais brilhante, mais feliz e mais positivo, fazendo planos para o nosso Natal juntos, organizando viagens com minha mãe para ficar com nossa família, cantamos karaokê a plenos pulmões 72 horas antes de ele nos deixar — Eu realmente senti que o tinha de volta depois de um período particularmente difícil. Mas, infelizmente, não era para ser” – Hayley, parceira de Chris

Ciaran, 28 anos

“Ciaran era uma pessoa adorável, realista e engraçada que adorava ser pai. Ciaran era o rapaz Scouse mais normal que você poderia desejar conhecer. Ele amava seus companheiros, seu pássaro e seu garotinho. Ciaran sempre disse que foi o motivo de ele se tornar pai. Ele e seu parceiro choraram de rir desde o momento em que acordaram até o momento em que foram dormir, eles se divertiram juntos. Ele é perdido além das palavras” – A família de Ciaran

David, 50 anos

“Meu pai era muito extrovertido e sua morte foi um choque enorme para todos que o conheciam. Na época em que a foto foi tirada, ele continuou dizendo que estava muito feliz. Ele sempre fazia todos rirem, sempre se esforçando para ajudar outras pessoas. Ele era a vida e a alma da festa, mas internamente ele estava travando batalhas que os outros não podiam ver” – Ella, filha de David.

Elizabeth, 28 anos

“Lizzy adorava uma selfie (nós todos) e na maioria, se não em todas as fotos, ela está sorrindo. Esta foto foi tirada em seus últimos dois meses nesta Terra e é como nos lembramos dela. É realmente difícil pensar que havia tanta tristeza por trás de seus sorrisos, mas você nunca pode saber o que está dentro da mente de alguém, e é por isso que é tão importante conversar” – Hayley, irmã de Lizzy

Emily, 19 anos

“Emily foi diagnosticada com autismo de alto funcionamento e trabalhou duro para passar pela vida, obtendo qualificações, fazendo um estágio e trabalhando em um pub local. Ela queria dar um passeio na manhã em que morreu, mas não conseguiu devido às restrições do COVID que estavam voltando. O medo de perder as novas liberdades e rotinas que a ajudaram a lidar com o autismo encheu seu balde de estresse. e ela não conseguia mais lidar com a vida” – Tim, pai de Emily.

Hanna, 21 anos

“Hanna era muito boba e despreocupada, com uma risada muito contagiante. Ela era borbulhante, carinhosa e nunca deixava ninguém ficar triste. Esta foto foi tirada no Japão, pois ela adorava anime e moda japonesa. Hanna era uma estudante de moda, então uma alma muito criativa. Foi o nosso último grande feriado em família e foi um momento adorável. Ela era a melhor irmã” – Thorn, irmã de Hanna.

Karen, 43 anos

“Esta fotografia de Karen foi tirada em seu aniversário. Ela e eu estávamos visitando meu irmão para comemorar. Não tínhamos ideia de que ela sofria de alguma forma. Desde que me tornei mãe, percebi o quanto escondemos de nossos filhos para protegê-los de algumas das coisas mais difíceis da vida. Ela era uma mãe muito jovem e eu sei que seu silêncio foi alimentado por seu amor por nós” – Jéssica, filha de Karen.

Josephine, 67 anos

“Dois dias antes de minha avó falecer, ela visitou este pub em seu aniversário, onde fez sua última refeição em família. Nós brincamos que no ano seguinte ela teria uma experiência de bungee jumping ou paraquedismo. Eu aprecio esta foto dela porque traz de volta memórias dela parecendo sem esforço feliz, contente e orgulhosa” – Abigail, neta de Josephine

Ravi, 30 anos

“Meu irmão tinha 30 anos e era amado por todos que o conheciam. Ele era um talentoso fotógrafo e jogador de hóquei – e esta foto foi tirada em um evento social com seus amigos de hóquei. Ele era meu irmão mais velho e experiente, que sempre me desafiou a ser a melhor versão de mim mesma que eu pudesse ser. Eu não estaria onde estou sem ele. Não tínhamos ideia de que ele sofria de depressão até alguns meses antes de tirar a própria vida e, mesmo assim, não percebemos que era tão ruim quanto era” – Lhara, irmã de Ravi.

Peter, 58 anos

“Esta foto foi tirada em nosso 33º aniversário de casamento em Barcelona (nos conhecemos na adolescência quase 40 anos antes!). Foi nosso último feriado juntos. Peter começou o início de 2018 com tanta esperança, mas isso se transformou em desespero logo depois que esta foto foi tirada e nossas férias terminaram – ele fez uma tentativa de suicídio malsucedida apenas um mês depois e finalmente terminou sua vida em 29 de dezembro. Família, amigos e colegas ficaram muito chocados com sua perda, pois ele era um personagem com um senso de humor perverso. Para nós, Peter será lembrado como um pai amoroso e avô dedicado. Ele sempre foi ‘Babbo’ para nossos netos” – Lisa, esposa de Pete.

Publicidade

Fotos: Divulgação / CALM / The Last Photo


Canais Especiais Hypeness