Debate

Aluno de paraquedismo que morreu durante salto em SP despencou de 2 mil metros em queda livre

03 • 08 • 2022 às 08:55 Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

Um vídeo registrou os últimos momentos do empresário e aluno de paraquedismo Andrius Pantaleão, que morreu após perder o controle durante um salto de paraquedas em Boituva, no interior de São Paulo. No registro, obtido com exclusividade pelo programa Fantástico, da Rede Globo, Pantaleão aparece girando intensamente a mais de 200 km/h: sem conseguir se estabilizar, o empresário despenca em queda livre por cerca de 2 mil metros, até cair no portão de uma casa.

O empresário e aluno de paraquedismo Andrius Pantaleão morreu em queda no último dia 19

O empresário e aluno de paraquedismo Andrius Pantaleão morreu em queda no último dia 19

-Paraquedistas falam em erro no pouso como causa da morte de sargento do exército

O salto fatal aconteceu no dia 19 de julho e, segundo o instrutor Paulo César Mirkai, que acompanhava Andrius, o salto começou bem, com o aluno estabilizado e confirmando que conseguiria comandar o paraquedas antes do instrutor o soltar, após sairem juntos do avião. Na hora do controle das curvas, já sozinho em queda livre, ele começou a girar e perder o controle: Mirkai ainda tentou estabilizar o aluno, que se afasta. Andrius morreu na hora, sem ferir ninguém na casa onde caiu.

-Homem que pousou de paraquedas em terraço de hotel no RJ foge dos seguranças com mortal

Na reportagem, o instrutor revela que aquele era o terceiro salto de Andrius, que havia treinado em simulador e demonstrado estar tecnicamente preparado. Um inquérito policial foi instaurado, a fim de determinar o que aconteceu durante o salto e se há problemas de segurança no esporte em Boituva, que se autodenomina capital do paraquedismo no país. Ao longo dos últimos 6 meses, mais de 80 mil saltos partiram da cidade.

Segundo o instrutor, o salto começou bem, mas em seguida Andrius perdeu o controle

Segundo o instrutor, o salto começou bem, mas em seguida Andrius perdeu o controle

-O salto mais alto do mundo foi filmado com uma GoPro e as imagens são hipnotizantes

Desde o acidente, a Justiça determinou a suspensão das atividades nos céus do município. O avião que transportava Andrius Pantaleão decolou do Centro Nacional de Paraquedismo, em Boituva, mesmo local onde ocorreu recentemente o acidente fatal com a sargenta do exército Bruna Ploner, em abril, e de onde partiu o avião que, em maio, realizou um pouso forçado em um sítio da região, causando a morte de duas pessoas.

Paraquedismo em Boituva

O paraquedismo representa um quarto das atividades econômicas locais, e a prefeitura de Boituva se comprometeu a melhorar a estrutura do Centro Nacional na cidade. Procurada, a Agência Nacional de Aviação (ANAC) afirmou que para praticar o paraquedismo é necessário realizar uma prova teórica, mas que as aulas e os critérios de ensino não são regulamentados pela agência. A reportagem do Fantástico pode ser assistida aqui.

Avião que realizou pouso forçado após decolar do Centro em Boituva, em maio

Avião que realizou pouso forçado após decolar do Centro em Boituva, em maio

Publicidade

© foto 1: Facebook/reprodução

© fotos 2, 3: TV Globo/reprodução


Canais Especiais Hypeness