Ciência

Estudo aponta que narcisismo é instrumento para mascarar baixa autoestima e insegurança

03 • 08 • 2022 às 08:55
Atualizada em 03 • 08 • 2022 às 12:43
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

A personalidade narcisista é mais movida por um quadro de baixa autoestima e insegurança do que por excesso de admiração pela própria imagem. É essa a conclusão de um novo estudo, publicado no ano passado na revista Personality and Individual Differences, e realizada por especialistas do Departamento de Psicologia da Universidade de Nova York (NYU), nos Estados Unidos, que buscou compreender a natureza narcisista, especialmente diante do contexto tão autocentrado das redes sociais.

Por trás da vaidade das redes estaria uma imensa insegurança, segundo a pesquisa

Por trás da vaidade das redes estaria uma imensa insegurança, segundo a pesquisa

-Haja autoestima: apenas 3% dos homens brasileiros se acham feios, aponta pesquisa

A pesquisa trabalhou com 300 participantes com idade média de 20 anos e divididos entre 60% de mulheres e 40% de homens, que responderam virtualmente a 151 perguntas. O estudo separou o Transtorno de Personalidade Narcisista entre “grandioso” e “vulnerável”, posicionando esse traço aparentemente contraditório de baixa autoestima. Segundo o texto, os resultados mostram que é mais fácil compreender o narcisismo como uma adaptação compensatória, para superar e disfarçar inseguranças.

A pesquisa não correlaciona o narcisismo com a psicopatia, apesar de semelhanças

A pesquisa não correlaciona o narcisismo com a psicopatia, apesar de semelhanças

-Vídeo resume as mentiras que se escondem por trás do que postamos nas redes

“Por muito tempo não era claro o motivo de os narcisistas engajarem com comportamentos desagradáveis, como se parabenizar, já que isso faz com que os outros pensem menos deles”, afirmou em comunicado o professor Pascal Wallisch, autor sênior do estudo associado ao Departamento de Psicologia da NYU. Segundo o professor, o comportamento de se gabar e se exibir tornou-se predominante nas redes sociais, em gesto conhecido como “flexing” em inglês.

A expressão "flexing" se refere ao gesto de mostrar os músculos

A expressão “flexing” se refere ao gesto de mostrar os músculos

-Ficar longe do Facebook aumenta bem estar e autoestima, aponta pesquisa

“Nosso estudo revela que esses narcisistas não são vaidosos, mas sim inseguros, e é assim que eles lidam com suas inseguranças”, diz o comunicado. O estudo utilizou duas escalas, a primeira chamada “Refinamento performático para apaziguar inseguranças sobre sofisticação” (PRISN), medindo desejo social, autoestima e possível psicopatia, e o “Índice de elevação performática própria” (FLEX), que mede o controle de impressão, a necessidade de validação social, domínio social e exaltação de si.

O narcisismo é apresentado como um sistema compensatório para baixa autoestima

O narcisismo é apresentado como um sistema compensatório para baixa autoestima

-‘Já acabou, Jéssica?’: meme rendeu depressão e abandono escolar à jovem

Os resultados apontam que o narcisismo não tem alta correlação com a psicopatia, mas sim com a escala FLEX, na necessidade de validação social através da prática de auto exaltação. “Narcisistas são inseguros e lidam com essas inseguranças se gabando. Isso faz com que os outros gostem menos deles ao longo prazo, piorando suas inseguranças, o que leva para um ciclo vicioso de comportamentos de ostentação”, acrescentou Mary Kowalchyk, autora principal do estudo.

Publicidade

Canais Especiais Hypeness